Banana Flambada Com Sorvete Alpino

Hoje tudo está difícil, escolher um titulo, começar, desenrolar o texto, essa foi a semana mais longa, mais fria, mais dolorida da minha vida, vou começar na noite de sábado passado dia 15 eu acho, fui para o hospital dormir com minha mãe que não estava nada bem, passei a noite toda em claro, vendo minha mãe sofrer sem poder fazer nada. No domingo sem dormir, tinha roupas para lavar, cadernos de criança para olhar, almoço para fazer, dentre outras tarefas, a noite apaguei, só acordei na segunda porque o despertador foi muito insistente.
Na segunda surpreendentemente minha mãe estava em casa quando cheguei, inconsciente mas estava, após uma reunião de família decidimos leva la para o hospital outra vez e como num passe de mágica ela acordou bem, conversava direito, se alimentou e ficou em casa.
Terça antes de sair fui falar com minha mãe, que me disse que estava bem e me abençoou, enquanto fui pegar as chaves do carro ouvi ela falando com o Cadu, meu filho do meio se despedindo, mas como ela se despedia da gente umas 4 vezes no ano já a uns 15 anos, não dei muita importância.
Quando voltei do trabalho, ela estava inconsciente na cama, e nem reclamava de dor, isso me assustou, meu pai estava nervoso, meu irmão chegou e tentamos leva la ao hospital, mas não conseguimos, tivemos que chamar o SAMU, que chegou rápido e já iniciou o socorro, ela foi direto para a UTI, para fazer exames e controlar o diabetes.
Quarta feira eu nem podia ouvir o telefone tocar, preocupada com ela e ansiosa com a chegada dele. Graças a Deus ele chegou bem, fui busca-lo, passamos a noite juntos. Meu irmão foi visitar minha mãe e disse que ela estava do mesmo jeito e que não havia nada que pudéssemos fazer.
Quinta feira fui trabalhar, dei uma carona para o namorado, para que ele fosse conhecendo a cidade, e ao meio dia o telefone toca, e meu pai diz desesperado que o pior tinha acontecido, eu perdi minha mãe.
Não sei como dirigi até chegar em casa, só me lembro de muita dor de cabeça e de tomar remédios e dormir, quando o corpo foi liberado para o velório, todos foram e eu fiquei, não tinha forças, justo eu que acreditava estar preparada de tanto ver todo o sofrimento dela.
Alguns amigos me levaram para a noite que seria a mais difícil e inimaginável da minha vida. Na sexta foi o enterro, meu irmão não assistiu… eu entendo, o Felipe meu filho mais velho também não.

Passei o resto do dia tentando dormir, mas não consegui, fui então ver o namorado que estava esquecido, caminhamos durante a tarde conversando, fazendo planos, distraindo o sofrimento.

No sábado, meu pai decidiu descer a serra com um vizinho e as crianças, eu e minha cunhada aproveitamos para limpar tudo, separar todas as coisas dela para doar e reorganizar a casa para iniciar uma nova rotina.
A noite estava sozinha e fui buscar o namorado para me fazer companhia, foi bom, ele praticamente não dormiu com medo de alguém chegar, eu dormi muito bem.
Domingo ele me perguntou se eu não pretendia fazer nada de comer, nenhum docinho para postar no blog, algo que me distraísse, ele até se propôs a fotografar! Resolvi fazer uma banana flambada, mas banana flambada só tem graça com sorvete, e o unico sorvete que tinha em casa era o de Alpino, que eu havia comprado para ele que adora Alpino, e não ganhei nenhum bombom para fazer tanta propaganda.
Então eu aqueci uma panela, coloquei um pouco de manteiga, assim que derreteu juntei bananas partidas ao meio, e deixei fritar, polvilhei canela, açúcar, virei as bananas, despejei suco de uma laranja, dexei cozinhar um pouco.
Separei uma xícara de café de conhaque, despejei sobre as bananas e deixei e a chama entrar, pena que não dá pra ver direito a panela pegando fogo, quem sabe quando eu entender de photoshop…


Cortei alguns alpinos sobre o doce, e apaguei o fogo.
Coloquei num pratinho de sobremesa generoso, cobri com sorvete, não foram bolas de sorvete porque eu não tenho boleador, e reguei com muito caldo da panela.
Sentamos nós dois juntinhos numa manhã de domingo gelada para tomar sorvete com banana flambada.
Depois disso fomos ao shopping, pois precisava de um sapato que não machuque meus pés para trabalhar, almoçamos por lá mesmo com dor na consciência, não podemos ficar gastando com comida fora de casa, a situação não permite, mas um outro fato me impediu de fazer comida em casa, um não, dois, mas isso é outra história, que eu conto em breve.
Fica a sugestão para o dia dos namorados, o dia do amigo, o dia de encontrar alguém ou para o dia que você sentir vontade.

Prometo que eu volto.

19 comentários Adicione o seu
  1. Meu Deus amiga, caramba, eu sinto muito mesmo por tudo, pelo seu sofrimento inimaginável, por toda sua angustia, enfim, acho que não há absolutamente nada que eu possa dizer que possa consolar ou amenizar sua dor, posso dizer que vou rezar por vc e pela sua Mãe e que vc tenha força para dar conta de tudo que está acontecendo, um grande abraço muito apertado!! beijos

  2. Sandra, meu nome é nayara e sou leitora do blog já há algum tempo.
    Sabe, eu nunca comento nada, em quase nenhum dos blogs que leio.
    Mas queria registrar aqui meu abraço apertado pra você.
    Isso também vai passar.

    Beijo!
    nayarac.

  3. Meu coração ficou apertado amiga. É muito facil dizer palavras de força nessa hora, não é meu coração que esta doendo.Olha se precisar de ombro pra chorar eu sei que o meu ta muito longe, mas mesmo assim esta a disposição tá. A aproveite bem o namorado, distraia-se com ele. Namorado serve pra isso tambem, pra dar a mão nessas horas.Se precisar conversar to aqui. Muitos beijos no coração!!!!!

  4. Querida Sandra,
    lamento profundamente a sua preciosa perda. Como nestes momentos, nunca sei muito bem o que dizer, receba o meu abraço carinhoso virtual e um grande beijinho no seu coração.

  5. Ai Sandra, me emocionei com o teu post. Eu não imagino a tua dor, perder a mãe deve ser a pior coisa do mundo.
    Mas a gente precisa se levantar, né? Força e coragem pra vc, viu? Que bom q teu namorado tava aí, pra ajudar a segurar as pontas.

    um bjo.
    Sinto mto, viu?

  6. Sandrinha, só li sua última postagem após te escever por email. Lendo todos os deltalhes, sofri junto contigo… Também perdi meu pai alguns anos atrás e posso te dizer que a dor passa… passa com o tempo, amiga.
    Vc é uma guerreira incansável, vai superar, não tenho dúvidas disso. Fico feliz pela força que Neto está te passando…
    É tão lindo a sua paixão pela a culinária… vou fazer esta banana flambada!!!
    Força querida!!!

  7. Sandrinha,

    Só li sua postagem após o envio do email. Lendo as suas palavras, pude ter uma noção do seu sofrimento. Tudo ai dar certo e logo, com o tempo, vc vai superar este momento difícil.
    Força, vc é uma guereira!!!!
    Fica com Deus!

  8. Espero que tudo se resolva Sandra… pqlo menos vc nao estava sozinha… ter alguem que amamos para dar uma força nessas horas é bom demais.
    Adorei a receita. bjos!
    Joy

  9. Menina, não sei muito o que dizer porque eu acho que nessas horas não tem nada que pode ser dito. Estou rezando por vocês, que Deus conforte o coração de todos e pense que o sofrimendo dela acabou e que agora é viver da saudade.
    Meu abraço mais carinhoso pra você.
    Fique com Deus.
    Bjs

  10. San, deixo aqui meus sentimentos pelo momento que esta passando, conheci sua mãe e lógico que ela nunca esqueceu o presente que te dei.Infelizmente Deus nos pega na curva as vezes e faz com que imaginemos um precipicio, mas ninguem carrega um fardo maior do que se pode aguentar! Sei que é mais uma batalha para voce, mas sei que novamente será vitoriosa.
    muitos beijos no coração
    Lú – ETE (só pq nunca sei se vc não esquece..rs)

  11. Oi, essa é a primeira vez que entro aqui e, de cara, me dou com esse post.
    Eu tenho 16 anos e sou apaixonaaaaaaaaaaaada por cozinha, desde sempre.
    E quero te dizer que perdi minha irmã aos 12 anos e minha avó aos 15, que foram as únicas pessoas (sem contar meu pai), de verdade na minha vida.
    Então, espero que você fique bem.

  12. Olá Sandra..gosto mto de visitar blogs(apesar de não ter um)e o seu me encanta.Venho acompanhando sua história em todos os detalhes.Me entristeço com suas tristezas..me alegro nas suas vitórias e conquistas..é tudo muito emocionante e..humano!Vc mostra a sua história sem rodeios e enfeites..é a verdade nua e crua!E hj me deparei com essa triste notícia..fiquei mto consternada..e quis tb me manifestar e te dar o meu apoio..mesmo que anônimo..Saiba que a admiro mto..e que te desejo uma felicidade inimaginável tb!Bençãos sem fim em sua vida!!um grande e forte abraço.
    Fabiana

  13. olá Sandra. Espero que seu coração esteja mais calmo. Infelizmente passei por isso, e sei como é difícil. Mas tem uma frase do Pe. Marcelo que é muito verdadeira. Me apego sempre à ela. “Saudade sim, tristeza não”. Fique em paz. abraços

  14. Sandra,
    Meus sentimentos.
    Sempre me emociono com suas postagens (sempre te escrevo isso), mas hoje sem palavras.
    Mesmo sabendo que vc é guerreira, te desejo muita força para continuar e sei que vc tem.
    Se precisar estou por aqui,
    Beijos,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *