A Páscoa, o Chocolate, o Coelho, o Ovo e o Marketing

Se a gente deixar de lado o condicionamento a que somos submetidos desde a infância a Páscoa parece filme de fantasia e dos bem ruins porque não faz sentido. O título do post A Páscoa, o Chocolate, o Coelho, o Ovo e o Marketing lembra muito uma das cronicas de Nárnia com a diferença de que entrar por guarda roupa e sair num reino fantasioso é mais coerente que comemorar a Páscoa e reproduzir todos esses rituais que nem imaginamos porque são realizados.

Sem duvida não há projeto de marketing mais bem sucedido que ovos de chocolate na ressurreição de Cristo. Eu não sou ingenua a ponto de acreditar em nenhuma data comemorativa seja religiosa ou não, todas, tem o intuito de aquecer as vendas, girar o capital, gerar lucro.

ovos de pascoa

Com certeza as datas mais lucrativas são as religiosas, junto a febre do comércio e a necessidade de fazer seguir o fluxo também há o medo do inferno.

A TV, as escolas, as igrejas, ensinam a lição direitinho e por mais que há alguns anos a igreja católica tenha pregado a humildade ainda que hipocritamente, ninguém quer abrir mão do seu chocolate num lindo domingo de outono, aqui no Brasil, e escrevo isso degustando meu ovo de chocolate de colher recheado com Ninho e Nutella, afinal eu posso não entender de onde fizeram essa associação de uma coisa com a outra, mas gosto de doces e pra não ficar de fora, ou seja sem meu chocolate aprendi cedo a fazer ovos de chocolate, aprendi tão bem que já cheguei a transformar 100 quilos de chocolate em barra em ovos de Páscoa em dez dias.

o marketing da páscoa

Hoje, depois de 40 anos comendo chocolate como se não houvesse amanhã por alguns dias no ano resolvi ir mais a fundo na minha pesquisa e encontrei uma resposta plausível. A Páscoa que conhecemos hoje surgiu de uma festa pagã e da comemoração judaica. A igreja e a politica, sempre ela, moldaram a comemoração para ficar como é hoje, atendendo a interesses deles mesmos.

Quem quiser entender de onde saiu tudo isso pode ler as páginas 48, 49, 50 e 51 do livro A Igreja de Troia de Robson Brumatti, disponível neste link.

O que me deixou mais abismada era a crueldade com as lebres e de onde veio a musiquinha do “coelhinho da pascoa, o que trazes pra mim…”

Porque eu resolvi pesquisar isso este ano? Ora, porque estou cursando publicidade e desconstruindo campanhas, imaginando briefings, pensa comigo, o povo ta todo lá fazendo festa, matando lebres, assando pães sem fermento, preparando doces e bolos no segundo domingo depois da lua nova de primavera, me perdoem se estiver errado, é muita coisa pra decorar, o povo antigamente não tinha internet, não dava pra se distrair senão criar deuses e deusas e fazer festas para elas. Mas voltando ao raciocínio, aquela festa toda, mulheres prevendo o futuro nas entranhas das lebres e o Papa e os políticos imaginando como tirar proveito disso, certeza que pensaram antes num ovo de cimento pra ter incentivo da Odebrecht mas só venderia muito nos primeiros anos, depois apareceriam youtubers customizando os ovos para reciclar, o ovo seria praticamente inquebrável, atravessaria gerações, precisava ser de algo que não durasse muito, que fizesse salivar, que não fosse fácil de reproduzir em casa e quem tentasse estivesse amaldiçoado a conviver com manchas no teto até a próxima pintura da casa. Assim criou se o Ovo de Chocolate.

ovos de páscoa

Eu não sei onde, nem quando nem quem fez o primeiro ovo de chocolate, mas que marketeiro da porra é essa pessoa, pensou em tudo, TU DO!

Já tentou fazer ovos de páscoa em casa? Pois então tente, hoje eu faço tranquila, mas há vinte anos era um sofrimento pra dar ponto no chocolate, encontrar formas, materiais necessários para embalar, receitas…

Já tentou transportar um ovo de páscoa, e um ovo de colher? É a maior penitencia que alguém pode fazer, se alguém carregar um ovo de chocolate pra você esse é pra casar, ainda mais se foi de ônibus ou transporte publico.

Ganhei um ovo essa semana e foi uma loucura faze lo chegar em casa ainda parecendo um ovo, se você segura firme e junto ao corpo ele derrete, se segura pelo papel ele pode cair e quebrar ou ficar todo torto na embalagem é literalmente se correr o bicho pega e se ficar o bicho come. Alguns dias depois levei alguns ovos para a faculdade, e me aventurei de ônibus, que loucura, que viagem, não tem sacola no mundo que segure um ovo de colher alinhado no transporte.

o marketing do ovo de páscoa

Isso sem falar nas embalagens, tudo muito esparafatoso, brilhante, pés, papeis, laços, qualquer coisa para agregar glamour e dificuldade ao presente. Nunca uma pessoa paga tão caro por cem gramas de chocolate, sem exagero fica valendo o mesmo que ouro em algumas lojas. Que negócio!

Mesmo modificado, recheado, em latas, caixas, sacos só faz valorizar e com o detalhe de ter seu interior oco podendo ser preenchido com outros presentes, de miniaturas de automóveis até anéis de noivado passando por preservativos e os tradicionais brinquedos infantis. Não é a toa que as lojas estão parcelando em dez vezes, a pessoa compra o panetone ainda pagando o chocolate da Páscoa.

Esse é o sonho que todo marketeiro: Ovos de Páscoa, um sucesso há décadas e por mais séculos e séculos amém!

 

 

Um comentário Adicione o seu
  1. HAHAHAHAHA
    Adoro seu humor bem sarcástico e como ele faz a gente pensar realmente nas origens dessa comemoração.
    Eu não sou religiosa nem um pouco, mas não deixo de ter meu chocolate nessa data <3

    E também passei pelo calvário de trazer um ovo de páscoa numa viagem de 8 horas de ônibus do interior até SP. Claro que o ovo chegou esmigalhado 🙁

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *